21 Outubro 2021

Uruguai e Chile no polo oposto a Cuba, Nicarágua e Venezuela no "Índice Chapultepec" 2021, barômetro da liberdade de imprensa

Aa

O país que mais caiu na classificação em comparação com o ano anterior foi a Argentina. O que mais subiu foi a República Dominicana.
$.-

Miami (21 de outubro de 2021) - Venezuela, Cuba e Nicarágua são os países com as piores pontuações no "Índice Chapultepec 2021", o barômetro da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) que mede os níveis de liberdade de imprensa e de expressão nas Américas. Uruguai e Chile continuam sendo os países com a melhor classificação ​​e mais confiáveis nessa escala.

O relatório foi divulgado nesta quarta-feira durante a 77ª Assembleia Geral da SIP, realizada de 19 a 22 de outubro. Veja aqui os principais gráficos.

O indicador da SIP se baseia nas ações dos poderes públicos na área de liberdade de expressão em 22 países do hemisfério.

O ranking deste ano levou em conta mais de 200 relatórios de especialistas desses países para o período de 30 de julho de 2020 a 1º de agosto de 2021. O trabalho metodológico e estatístico foi realizado pela Universidad Católica Andrés Bello, de Caracas, Venezuela.

Os resultados desta segunda edição do Índice Chapultepec mostram uma configuração geral de 55,61 pontos na região, para um máximo teórico de 100, o que representa uma ligeira melhoria no hemisfério em comparação com o Índice do ano passado, que teve uma média de 51,42 pontos.

Uruguai e Chile estão à frente em termos de liberdade de expressão. Eles são seguidos pela Jamaica, República Dominicana, Canadá, Costa Rica, Peru, Paraguai, Panamá, Estados Unidos e Honduras, na categoria "baixa restrição".

A Colômbia está na categoria "restrição parcial", ainda acima da média global.

Abaixo da média, também na categoria "restrição parcial", estão Argentina, Bolívia, México e Guatemala. Na categoria "alta restrição" estão El Salvador e Brasil.

Na categoria "sem liberdade de expressão" e localizados na faixa vermelha, estão Nicarágua, Cuba e Venezuela. Entre Uruguai e Venezuela, os países com a melhor e a pior classificação, há uma diferença de 78,39 pontos.

O Índice Chapultepec avalia vários tipos de indicadores. No quesito "controle da mídia", o México aparece relativamente bem-posicionado, mas sua classificação em termos de "violência e impunidade contra jornalistas e a mídia" é alarmante. Durante o período, 12 jornalistas mexicanos foram assassinados.

No quesito "violência e impunidade contra jornalistas e a mídia", nenhum dos 22 países alcançou a classificação de liberdade total. Apesar dos esforços institucionais e da vontade de manter um clima de liberdade de expressão nos países com as melhores pontuações, Uruguai e Chile, neles também foram registrados episódios de agressões a comunicadores e ataques aos meios de comunicação.

A pior pontuação institucional em liberdade de expressão e de imprensa foi registrada para Nicarágua, Cuba e Venezuela, os três países posicionados em último lugar no Índice pelo segundo ano consecutivo. Sem mudanças políticas, aumentaram as prisões, as ações judiciais e a violência contra a imprensa, e a situação se agravou com os assassinatos de dois jornalistas s na Venezuela e o exílio forçado de outros jornalistas na Nicarágua. A prisão como medida de censura é um fator comum nesses países.

As mudanças políticas produziram melhorias na liberdade de expressão em alguns países. Destacam-se a República Dominicana, que subiu dez posições; o Equador, que subiu quatro, e os Estados Unidos, com três. O país que mais caiu na escala em comparação com o ano anterior foi a Argentina.

Nos gráficos que são compartilhados com estas informações, é possível notar como as ações das autoridades têm impacto sobre diferentes aspectos.

Para a criação do Índice Chapultepec, a SIP contou com a valiosa contribuição do Grupo Sura e da Fundación Bolívar, ambas empresas da Colômbia, e de Edward e Karen Seaton, dos Estados Unidos. A primeira divulgação dos indicadores do Índice Chapultepec foi feita durante a 76ª Assembleia Geral da SIP, em outubro de 2020.

O Índice Chapultepec é elaborado de acordo com os princípios de liberdade de imprensa e de expressão que a SIP reuniu em sua Declaração de Chapultepec e na Declaração de Salta.


A SIP é uma organização sem fins lucrativos que se dedica à defesa e à promoção da liberdade de imprensa e de expressão nas Américas. É composta por mais de 1.300 publicações do hemisfério ocidental e tem sede em Miami, Flórida, Estados Unidos.

Compartilhar

0