Canadá

Aa
74 Assembléia Geral
Salta, Argentina
$.-
Pouca coisa mudou na maneira como as decisões judiciais continuam afetando a liberdade de imprensa na resolução de casos específicos, e aumenta também a preocupação com a drástica deterioração da mídia impressa.

Diversas associações de jornalistas condenaram as táticas de intimidação utilizadas por grupos ideológicos que desejam amordaçar a imprensa em Quebec.

O primeiro-ministro Justin Trudeau e o primeiro-ministro do Quebec, Philippe Couillard denunciaram a intimidação dos jornalistas do Vice Québec depois que membros do "Atalante", grupo anti-imigração, entraram subitamente, e mascarados, no escritório do Vice. O ataque foi uma reação a uma matéria publicada por Simon Coutu que abordava a ascensão de grupos de extrema direita em Montreal. Desde então, houve muitas tentativas graves contra a proteção das fontes. A Real Polícia Montada do Canadá (sigla RPMC em inglês) emitiu uma ordem para que Ben Makuch, jornalista do Vice, entregasse todas as comunicações entre ele e um suposto membro do Estado Islâmico (ISIS) que foi acusado in absentia de atividades relacionadas ao terrorismo. Como resultado, sucederam-se vários argumentos legais e alegações que chegaram ao Tribunal de Justiça de Ontário.

O Centro para Liberdade de Expressão (Center for Free Expression) e a organização Jornalistas Canadenses de Expressão Livre (CJFE) expressaram sua preocupação diante da tentativa do governo da província de Ontário de interferir na liberdade dos processos internos de tomada de decisão de instituições acadêmicas e relacionados à liberdade de expressão por meio de intimidação e pressão financeira. O governo da província apresentou um plano para universidades e faculdades que pode afetar esses processos de decisão. A não adoção do plano do governo de Ontário poderia prejudicar seriamente o acesso das universidades e faculdades a fundos que são essenciais à sua infraestrutura.

A mídia impressa corre perigo. A Postmedia anunciou sua decisão de fechar seis de seus jornais comunitários e a redução simultânea de muitas de suas operações municipais: o Camrose Canadian e The Strathmore Standard, na província de Alberta e o Kapuskasing Northern Times, o Ingersoll Times, Norwich Gazette e Petrolia Topic, em Ontário.

Outra prova da rápida deterioração do que costumava ser uma operação de grande porte da Postmedia é a redução do High River Times, em Alberta, e a extinção do The Graphic em Portage La prairie, Manitoba, do Northern News em Kirkland Lake, e do Pembroke Daily Observer, em Ontário.

Postmedia e Torstar Corporation são os maiores grupos controladores de mídia do país. Em novembro de 2017, os dois gigantes trocaram 41 publicações e fecharam 36 jornais em áreas onde competiam abertamente pelo público leitor. Como consequência, 291 empregos foram eliminados e duas cadeias de jornais estão sendo investigadas pelo Competition Bureau do Canadá. Até agora não foram proferidas acusações de confirmação das alegações de que os dois gigantes conspiraram na transação que resultou na eliminação de muitos empregos.

Também em junho, a Roger Media anunciou 75 demissões após eliminar um terço da sua equipe de conteúdo digital e publicação. Jornalistas da MacLean, Chatelaine e de outras empresas de publicação apenas online também perderam seus empregos. A preocupação é que o declínio da mídia impressa não seja acompanhado de um aumento significativo da mídia digital.

A ansiedade reinante durante este ano de 2018 , tão carregado, tem sido como financiar o jornalismo. A impressão é de que houve uma disrupção criativa que deveria ter trazido oportunidades para o jornalismo independente e para os meios de comunicação sob demanda, mas por algum motivo esses resultados esperados não foram imediatos nem recompensadores quanto se imaginou. Os modelos tradicionais de receita da mídia impressa foram destruídos, mas nem os novos modelos de reportagem nem os meios digitais trazem uma alternativa financeira viável.

Compartilhar

0